02/06/2015
Atividade Tropa Sênior ALECRIM

ATIVIDADE TROPA SÊNIOR ALECRIM- COMEMORAÇÃO DIA DO SÊNIOR

Jornada Sênior pela Ferrovia do Trigo realizada dos dias 16 e 17 de Maio de 2015. Saída de Muçum passando por Vespasiano Corrêa, Dois Lajeados chegando em Guaporé.

No sábado saímos de carazinho por volta das 04:00 da manhã até cidade de Guaporé/RS.

Chegamos   na sede do grupo  Nacê  e  nossos irmãos de ideal das cidades de Guaporé, Bento Gonçalves e Garibaldi esperavam e e ainda tinha café para quem assim  quisesse já que tínhamos parado  antes .  formamos um grupo  de 36 pessoas.

As 7 horas saímos em um ônibus para a cidade de Muçum longe 46 km de Guaporé, chegando as 8h30min no ponto de partida. Fomos guiados pelo Chefe Zílio, que é o guia mais experiente desta trilha, com seus 68 anos de pura vitalidade, completando nesta jornada sua 12º travessia.

Primeira parada de 10 minutos no viaduto 18 para repor as energias onde já cumpridas 10% do trajeto total e a medida que caminhávamos em direção a Serra Gaúcha, a paisagem ia se revelando muito linda e exuberante, sem noção das surpresas que estavam por vir.

No trajeto trabalhadores faziam a manutenção da ferrovia.

Passamos por uma sequência de túneis e viadutos, até que chegamos ao primeiro viaduto metálico da travessia. O primeiro viaduto metálico ninguém esquece, são mais de 70 metros de altura sobre dormentes vazados.

Caminhamos até as 13 horas onde paramos para o almoço e descanso de uma hora no túnel dos Arcos logo após o viaduto 13, com 143 metros de altura e 509 de extensão – o maior em altura da América Latina. Quando nos preparávamos para a saída vem o primeiro susto, com uma luz intensa e um tremor de terra, o trem, com mais de 70 vagões puxados por uma locomotiva C30-7, primeiro chega a ventania, que dava a impressão que nos remeteria montanha abaixo, passado o trem e o susto voltou a alegria, pois passamos pela experiência de estarmos dentro do túnel quando passa a composição completa, mas em local seguro. Voltamos à caminha da outra metade do túnel às 14 horas, mas agora com muita fumaça e umidade.

Continuamos a caminhada.  Num dos tantos túneis que passamos  para nossa surpresa encon-tramos dois carazinhenses apaixonados pelo ciclismo .Em um dos últimos viadutos antes do final da nossa travessia do primeiro dia, passamos por um local incrível onde os engenheiros desviaram um córrego por baixo da ferrovia fazendo um túnel na pedra, dinamitaram abrindo um túnel que lança a água do córrego uns 70 metros abaixo, passando por baixo da ferrovia e saindo no pé do morro.

Logo após paramos às 16 horas no Viaduto Fernando Abott para mais um descanso de 10 minutos. Logo após passamos por mais alguns tuneis onde possuem cavidades de segurança nas paredes a cada 15m alternadamente, corra pra elas caso passe um trem, foi o que aconteceu, ouvimos o apito de trem, corremos para as cavidades, mas foi uma vagoneta de manutenção que passou, mas já valeu pelo segundo susto e alegria por passar por esta experiência dentro do túnel.

Depois de passarmos pelo segundo viaduto metálico, chegamos ao Recando da Ferrovia, isto já se passava das 17 horas, onde começou os primeiros pingos de chuva que fizeram que deixássemos o cansaço de lado para rapidamente armarmos as barracas.

Passada a pequena chuva fomos ao merecido banho e às 20 horas, jantar. Após fazermos o fogo de conselho, onde durante uma hora confraternizamos com muitas canções e brincadeiras apesar da canseira que se abadia em todos. Ás 22 horas tocou o silencio e fomos todos dormir ai sim com aquela chuva para termos uma noite agradável.

Às 6:40  horas de domingo fomos despertados pelo apito e barulho do trem que passava ao nosso lado, pois estávamos acampando a uns 50 metros do viaduto Pesseguinho – o segundo maior viaduto metálico da estrada. Após e higiene matinal fizemos o desmonte do acampamento e fomos a mais um café reforçado para as 8 horas sairmos para a última etapa da jornada. A manhã úmida pela chuva da noite deixou a trilha fechada pela neblina, deixando o visual muito bonito, fazendo esquecer um pouco a dor no corpo.

Após passarmos pelo maior túnel, com mais de 2 km de extensão, com tempo de travessia de 33 minutos, chegarmos ao temível viaduto número 17,  Chamado Viaduto  Mula Preta  sobre o arroio do mesmo nome,  onde paramos para o almoço de domingo.

A travessia do mula preta foi a mais preocupante por ser um viaduto metálico com 409 metros de extensão sem proteção lateral e com recuos de segurança espaçados em sua extensão. Por isso era organizadas as saídas em grupos de 4 pois os recuos são para quatro pessoas caso o trem apareça. Coincidentemente, veio a locomotiva no exato momento em que todos estavam sobre o viaduto, uma rara coincidência que alegrou até os que estavam com medo. Como estávamos bem organizados e seguros nos recuos, aproveitamos bem o momento para as fotos. A coincidência foi tanta que até o maquinista nos filmou com o celular. Desta travessia

Tem histórias e teorias que vão dar uma esquete do próximo fogo de conselho.

   Três teorias e algumas outras considerações:

      Teoria Catastrófica=  Gean

      Teoria da Sobrevivência=  Ch  Paludo

      Teoria da Ação e reação =   Ch Kmemmerich

      Teoria  balança mas não cai =  Duwe

Depois desse viaduto seguimos até chegar-mos ao distrito de colombo, cidade de Guaporé

Próximo das 15:00 horas onde foi realizado o encerramento com destaque especial do Ch Zílio que mais uma vez agradeceu  pela disciplina os participantes  na jornada.

A ferrovia corta os morros e a água filtra dos paredões dos dois lados dos trilhos. A região tem muita água, um burburinho de água corrente é ouvido quase que o percurso todo. De sede ninguém morre nessa travessia.

Chegamos ao final da Jornada no distrito de Colombo em Guaporé, após uma caminhada de mais de 38  Km de muita SUPERAÇÃO, COMPANHEIRISMO, SOLIDARIEDADE, ALEGRIAS, CONTEMPLAÇÃO E REFLEXÕES.

Todos agradeceram o empenho do Grupo Nacê em organizar e guiar o grupo nessa jornada.

Participaram desta atividade Sênior dos Grupos:

Grupo de Escoteiros  Nacê de Guaporé

Grupo de Escoteiros Ciretama de Bento Gonçalves

Grupo de Escoteiros Cônego Sorg de Carazinho

Grupo de Escoteiros Almirante de Araujo Filho de Garibaldi

PARTICIPANTES:

GABRIEL DE OLIVEIRA DUWE

GEAN  k KUNTZ

TAUANA  LIRA

Ch  Beto

Ch Kemmerich

Diretor Paludo

Diretor  Glênio

Ch  Beto.

Voltar